AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO PARA SOCIEDADES COOPERATIVAS (…)

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO PARA SOCIEDADES COOPERATIVAS SOB A PERSPECTIVA DA UTILIDADE PARA TOMADA DE DECISÃO

A análise de desempenho por meio de indicadores é construída, tipicamente, com base na ótica do mercado, ou seja, com base no parâmetro do lucro para as organizações de finalidade lucrativa. Contudo, no caso das sociedades cooperativas, o lucro, similar as sobras geradas, não é a única forma de retorno oferecida aos proprietários e não pode ser considerada a única dimensão de preocupação do gestor no momento da tomada de decisão. Ainda, de acordo com os valores e princípios da doutrina do cooperativismo, essas entidades apresentam cunho social, diferentes funções de atuação do proprietário e preocupação com a comunidade, o que faz com que as dimensões do capital social, vinculada aos cooperados, e desenvolvimento regional também tornem-se necessárias para que haja a sustentabilidade do negócio e do movimento. Quando um gestor de cooperativa toma decisões baseando-se somente em uma das óticas (mercado, capital social ou desenvolvimento regional) pode potencialmente estar comprometendo uma das esferas da sustentabilidade dessas organizações, enfraquecendo a competitividade da cooperativa, esquecendo os princípios e objetivos ou ainda demandando investimentos sem gerar retornos financeiros aos membros ou externalidades positivas a comunidade. É claro que ao se expandir as dimensões de análise necessárias para a tomada de decisão, há o potencial aumento do número de indicadores gerados, consequentemente, torna-se necessário identificar quais são as informações prioritárias, respeitando as três óticas e sua integração. Ademais, mesmo na esfera de mercado, os indicadores não são tidos como adequados para as sociedades cooperativas, pois muitas vezes não captam a sua forma de funcionamento. Nesse contexto que a presente pesquisa se insere, tendo como objetivo analisar os indicadores econômico-financeiros tidos como relevantes para a tomada de decisão dos gestores das cooperativas, discutir suas limitações e propor possíveis melhorias.