Intercâmbio

25.10.2014- Turma de pós-graduação da Escoop realiza viagem de estudos para a Alemanha

Durante cinco dias, de 20 a 24 de outubro, os alunos realizaram atividades na ADG (Akademie Deutscher Genossenschaften) e em cooperativas e federações alemãs. A oportunidade de cursar um módulo no exterior decorre do Projeto de Cooperação mantido entre o Sescoop/RS e a Confederação Alemã de Cooperativas – DGRV.

As aulas, na primeira etapa da viagem, aconteceram na ADG (Akademie Deutscher Genossenschaften), no Castelo de Montabaur, de propriedade da DGRV, uma estrutura que compreende cinco pousadas e dois edifícios para seminários. A primeira menção do Castelo é do ano de 959 e durante muito tempo foi propriedade da arquidiocese de Trier. Na estrutura, em 2013, cerca de mil instrutores ministraram 1305 seminários, para um público total de 17.003 participantes.

2014_10_23_051_interna_Jr

A primeira atividade dos alunos foi a apresentação geral do sistema cooperativista na Alemanha, realizada pelo Dr. Stefan Daferner, engenheiro econômico, gerente de produtos e responsável pela coordenação nacional de educação e projetos internacionais da DGRV, que apresentou a academia e ministrou aula sobre o desenvolvimento de RH nas cooperativas de Crédito alemãs. Após, Christoph Plessow, representante da DGRV (Deutscher Genos-senschafts- und Raiffeisenverband), abordou o universo da confederação das cooperativas e entidades de auditoria do sistema de cooperativismo alemão, quando também deu as boas-vindas aos alunos do MBA, ressaltando a história e números atuais das cooperativas no país. Destacou ainda as atividades da DGRV, que são a representação de interesses das cooperativas, aos moldes da OCB no Brasil; contabilidade; assistência jurídica; assistência na área de tributação e impostos; e cooperação internacional. A ADG (Akademie Deutscher Genossenschaften) trabalha, em vários pontos do mundo, na assistência técnica na área financeira, na organização de programas, seminários e workshops e conferências. As cooperativas alemãs possuem 19,2 milhões de associados e 780 mil funcionários, distribuídos em cerca de 5800 cooperativas.

Na sequência, até o dia 22, ainda em Montabaur, os alunos do MBA tiveram aulas com Rene Borresch, sobre Formação e Capacitação em Cooperativas Agropecuárias; com Arno Boerger, sobre o projeto de cooperação bilateral do Sistema Ocergs-Sescoop/RS com a DGRV e o Ministério da Agricultura da Alemanha; com Walter Zeller, sobre Gestão Estratégica e com Alois Splonskowski, que abordou a temática Organização e Liderança.

099

Ainda no dia 22, o grupo foi recebido em Borken, pelo diretor-executivo da RWM – Raiffeisen Westmünsterland, Josef Wissing, uma cooperativa rural que recebe e comercializa cevada, trigo, milho e verduras, entre outros produtos e que possui também fábrica de rações e silos para a armazenagem de grãos, com 75 funcionários e 1.118 associados. Também na sede da Cooperativa, os alunos ouviram o auditor Christian Buschfort, da RWBG (Federação Regional da Renânia-Westfália), responsável pela auditoria externa obrigatória a que todas as cooperativas alemãs são submetidas. Buschfort é responsável por um grupo de oito auditores que realizam anualmente auditorias externas em 706 cooperativas na área de atuação da Federação. Na Alemanha, a auditoria externa é obrigatória, assim como a filiação a uma federação.

No dia 23, o grupo visitou a Agralis Reiffeisen, uma Sociedade Anônima de propriedade majoritária de 156 cooperativas singulares, com faturamento anual de 7,5 bilhões de euros e com capital social de 192 milhões de euros. Localizada na cidade de Münster, a empresa atua no segmento animal (cereais, rações, minerais), tecnologia, construção civil, supermercados e energia. Os alunos, divididos em dois grupos e guiados por orientadores, visitaram as instalações da empresa cooperativa. Após, assistiram a uma palestra do executivo da Agralis, Cristian Bimberg, que discorreu sobre a governança e os números da empresa.

No período da tarde, a aula foi na sede da Raiffeisen Vital – Saverland Hellweg Lippe, na cidade de Hamm, onde a turma visitou as instalações da cooperativa, localizada junto a duas hidrovias. Os alunos foram recebidos pelo executivo da cooperativa, Dirk Köckler, que discorreu sobre os negócios dos cerca de 2500 associados, todos produtores rurais e que recorrem à cooperativa para a compra e venda de produtos e comercialização de sua produção de grãos. A Raiffeisen Vital – Saverland Hellweg Lippe tem expertise na produção de rações, e utiliza como matéria-prima cerca de 100 mil toneladas de farelo de soja importado da cooperativa paranaense Coamo. Köckler frisou a importância das fusões já realizadas que fortaleceram as atividades da cooperativa ao longo de seus 125 anos. Ainda na sede da cooperativa, o representante da DGRV, Christoph Plessow, despediu-se do grupo e destacou a importância da gestão e dos estudos realizados pelos alunos, classificando a troca de experiências como fundamental para o sucesso do empreendimento cooperativo. Plessow disse que a cooperativa tem de fomentar a atividade do associado da melhor forma, caso contrário ele irá procurar um empreendedor privado, e perderá a missão enquanto cooperativa.

A coisa só está correta quando a cooperativa é superior ao melhor concorrente

Christoph Plessow

080

No dia 24 de outubro, já em Berlim, foi a vez do grupo conhecer a sede da DGRV (German Cooperative And Raiffeisen Confederation), onde foram recebidos por Dirk Lehnhoff, membro do Conselho de Administração da entidade. O dirigente acentuou as atividades da Confederação, que vão desde a auditoria externa, até o relacionamento e acompanhamento da gestão e governança das cooperativas alemãs, sempre em busca de um processo de melhoria continuada das cerca de 5800 cooperativas alemãs. Lehnhoff frisou alguns números, salientando que do total de cooperativas, cerca de 2600 são de produção agrária e atuam com produtos como leite, carnes, vinhos e hortifrutigranjeiros e que os bancos cooperativos possuem aproximadamente 25% do mercado no país. Existem ainda no país 1600 supermercados com a bandeira Reiffeisen.

Nas palavras do dirigente, “as cooperativas tem na Alemanha um espírito empresarial e buscam o lucro, mas também o apoio ao associado e melhoria para as suas condições de vida”. Como objetivos da DGRV, Dirk Lenhoff frisou também a integração com o púbico jovem, a segurança alimentar, a atuação do departamento jurídico junto às esferas governamentais, para que as cooperativas tenham sempre o tratamento adequado. Por fim, completou dizendo aos alunos que a DGRV atua há mais de 30 anos em parceria com o ministério da Agricultura da Alemanha e destacou o projeto de cooperação com o Sescoop/RS. “Sempre somos muito bem recebidos em seu Estado e faço votos que nossa parceria de cooperação continue e os parabenizo por essa qualificação que estão buscando aqui em nosso país”, completou. Após, o assessor da diretoria da DGRV e responsável pela prospecção de novas cooperativas e pela área de energia, Andreas Wieg, apresentou as atividades sob seu comando na Confederação.

As cooperativas tem na Alemanha um espírito empresarial e buscam o lucro, mas também o apoio ao associado e melhoria para as suas condições de vida

Dirk Lenhoff

Na última atividade da turma de MBA da Escoop na Alemanha, os alunos foram recebidos na Humboldt Universität Zu Berlin, que coordena nove institutos de ensino sobre o cooperativismo em toda a Alemanha. O professor Malte Muller coordena estudos que medem e qualificam o sucesso das cooperativas rurais em toda a Europa e apresentou estudos que comprovam a importância econômica das cooperativas nas comunidades onde atuam. A Universidade de Humboldt tem 200 anos de atividades e possui 33.500 alunos e 426 professores.

A Faculdade de Tecnologia do Cooperativismo – Escoop é a primeira Instituição de Ensino Superior voltada exclusivamente ao ensino, pesquisa e extensão em Cooperativismo no país. Mantida pelo Sescoop/RS, a Escoop mantém cursos de extensão, o Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Cooperativas em nível de graduação e Cursos de Especialização em Gestão de Cooperativas, em nível de pós-graduação lato sensu.